Receitas, Viagens

Sopas de Tomate à Alentejana

 

Este ano decidimos cá em casa que iriamos rumo ao Alentejo para uns dias de férias. Em dúvida entre a costa vicentina ou explorar o interior, decidimos escolher o interior mais quente e mais tranquilo.

Chegámos lá com o termómetro a bater os 38°C. Mas fomos logo recebidos pelo sossego da praia fluvial da Tapada de Mina de São Domingos, com a sombra natural das suas árvores e a água fresca a convidar a muitos banhos.

O sossego, a simplicidade e o contacto com a Natureza que se vive neste Alentejo profundo são, sem encontrar outra expressão melhor para os descrever, do caraças! É durante o dia ouvir só o chilrear dos pássaros e o cantar das cigarras, que à noite dão a vez aos grilos e às rãs; é nadar ao lado dos peixes e vê-los a saltar na água; é ficar na praia até o Sol se pôr e ver o céu pintar-se de mil cores; é olhar para o céu escuro da noite e vê-lo tão grande e tão estrelado que quase nos sentimos esmagados; é tentar encontrar nesse mesmo céu as constelações que conhecemos e ver passar uma estrela cadente; é andar dia e noite de pernas à mostra e chinelo no pé, porque o calor é tanto que não dá para ser de outro modo; é comer saladas, frutas e muita água durante o dia e ir às farturas e às imperiais depois do jantar. São coisas que sabem pela vida e que não têm preço!

Instalámo-nos uns dias na Casa da Torre, na Mina de São Domingos, uma casa linda, simples e acolhedora, ainda com muitos traços característico das casas alentejanas antigas, onde fomos muito bem recebidos e acolhidos.

Levámos uma geleira cheia de comida já feita, para não perder muito tempo em cozinhados durante as férias, um saco térmico com muita fruta e mais um saco cheio de essenciais como temperos, massa e frutos secos. Tentei levar coisas simples e que dessem para comer fora de casa, ou que fossem rápidas de cozinhar: salada de couscous, legumes já lavados e cortados (alface, cenoura, couve kale) para fazer saladas rápidas, hambúrgueres de feijão e beterraba para pôr no pão, croquetes de lentilhas e um patê de ervilhas e manjericão que serviu como óptimo molho para massa. Iogurtes vegetais para os lanches, granola de alfarroba para o pequeno almoço e não poderíamos estar no Alentejo sem pão com queijo e chouriço, por isso levámos os nossos preferidos em versão vegetariana*.

Nos últimos dias trocámos a tapada pela vila e ficámos em Mértola, na Quinta do Vau, que tem a vista mais bonita de sempre.

Rodeados por rio, montanha, árvores e com o castelo como paisagem de fundo, era impossível não nos perdermos de amor por este sítio.

 

Tomámos banhos de piscina, de sol e de estrelas, devorámos muitas páginas de livro e passeámos sem pressas pelas ruas cheias de encanto medieval da vila.

Se há algo capaz de nos trazer memórias é a comida com os seus cheiros e sabores. E não há nada que me faça lembrar mais o Alentejo que estas sopas de tomate, que cresci a comer em casa e que nunca faltam quando estamos com a família alentejana. É dos pratos mais simples de fazer, e comer, mas aqui partilho a receita consigo pois o que estas férias me mostraram é que é na simplicidade que temos o melhor da vida!

Sopas de Tomate à Alentejana

Ingredientes (para 2-3 pessoas)

  • 1 cebola média, em rodelas
  • 2 dentes de alho grandes, picados
  • 2 tomates bem maduros e grandes, em pedaços
  • 1 folhas de louro grande
  • 1/2 pimento vermelho, às tiras
  • 1/4 chávena de polpa de tomate
  • 2 batatas médias, às rodelas
  • Pão alentejano para acompanhar
  • Sal, azeite q.b

 

Como preparar

Num tacho grande coloque um fio de azeite, a cebola e o alho e deixe refogar em lume baixo até tudo amolecer.

Junte o tomate e a polpa e quando estiver desfeito acrescente o pimento, as batatas e água até cobrir tudo. Tempere com sal e deixe cozer em lume brando com o tacho tapado.

Quando as batatas estiverem cozidas retire do lume e sirva com um bom pão alentejano: coloque o pão no fundo do prato e ensope com a sopa, ou sirva a sopa assim simples com o pão torrado.

* Queijo vegetal Violife e chouriço vegetal Vegin

Previous Post Next Post

You Might Also Like

8 Comments

  • Reply A. Agosto 12, 2017 at 11:57 am

    *Inserir suspiros aqui* fiquei com tanta vontade de pegar no carro e ir para o Alentejo a ler isto (menos a parte das mini sanguessugas – eu fazia-te companhia no histerismo de certeza).

    Devia de haver mais dias assim, não é? é disso que é feita a vida :)

    beijinho e até ao próximo meet!

    • NotGuiltyPleasure
      Reply NotGuiltyPleasure Agosto 13, 2017 at 12:39 pm

      Obrigada minha linda, que bom ver-te aqui ❤️ Força, pega no carro e vai, eu tenho tanta vontade de fazer o mesmo ihih as sanguessugas são um pequeno pormenor, quando nos habituamos a não as chatear elas deixam-nos entrar no mundo delas sem problemas eheh
      Grande beijinho E venha daí o próximo meet!

  • Reply Sónia Lamêra, Green Food Agosto 12, 2017 at 1:05 pm

    Adorei ler este post :) amanhã vamos para o Algarve, iremos ter o oposto dessa calma toda, mas vão saber bem os mergulhos no mar. Obrigada por esta “viagem” até ao Alentejo.
    Beijinhos, saudades <3 (temos de combinar algo, ainda não conheces a Olívia*)

    • NotGuiltyPleasure
      Reply NotGuiltyPleasure Agosto 13, 2017 at 12:37 pm

      Obrigada minha querida, temos de combinar qualquer coisa rápido sim!! Tenho saudades também e tanta vontade de conhecer a princesa! :)
      Um grande beijinho e boas férias, dêm muitos mergulhos nesse mar matavilhoso

  • Reply Carla Agosto 18, 2017 at 6:24 pm

    Uau! Fiquei com tanta vontade de ir para aquela piscina!! Aqui à uns tempos fui com a Rita passear até Monchique e passámos pelas Minas! Paisagem linda! Mas ainda bem que não fui molhar os pés mêlher! Que borrava-me toda! :P
    Fico à espera de novidades!
    Bêjos!

    • NotGuiltyPleasure
      Reply NotGuiltyPleasure Agosto 21, 2017 at 7:17 am

      É tão lindo Carlinha, se voltares a passar por lá vai molhar os pés sem medo, se fores rápida elas não vêm e são só bichinhos :P e é muito bonito, sim, adorei cada cantinho ❤ quanto à piscina, sem palavras…
      Beijinhoo

  • Reply Pilar Outubro 18, 2017 at 11:43 am

    Olá!
    Sigo o blog há algum tempo e já fiz algumas receitas… até agora tudo aprovado! mas tenho muito mais para testar! Eu sou alentejana (yupiii!), saí uns tempos- para estudar e fazer um voluntariado em Inglaterra- mas estou de volta e ia dizer que nós aqui (Alto Alentejo) chamamos “sopas de batata” a essas que estão na foto e acrescentamos (quem gostar/consumir) ovo escalfado. As sopas de tomate não têm batata… Pelo menos aqui, mas basta andar uma duzia de km e temos costumes, comidas e até sotaques diferentes! Incrível!
    Beijinhos e parabéns pelo blog! ;)

    • NotGuiltyPleasure
      Reply NotGuiltyPleasure Outubro 18, 2017 at 5:24 pm

      Olá Pilar!! Muito obrigada e que bom que as receitas estão aprovadas, fico mesmo contente e à espera que as que faltam testar também sejam um sucesso! :) É verdade que as designações são diferentes conforme se vai andando pelo Alentejo fora! A minha família é de Santiago do Cacém/Grândola, Baixo Alentejo portanto, e lá estas são as sopas de tomate! Mas para o meu marido, cuja família é da zona de Mértola, sopa de tomate é o gaspacho. Alentejanices eheh mas adoro conhecer estas diferenças regionais! Ah e sim, leva ovo escalfado, mas como nós não comemos ovos fazemos esta adaptação.
      Um beijinho e bem vinda de volta ao nosso Portugal lindo! :)

    Responder a NotGuiltyPleasure Cancel Reply

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.