Receita, Veganismo

Bolo Natural de Cacau by A Cozinha Verde

A convidada para o post de hoje é mais uma das pessoas fantásticas que o blog me deu oportunidade de conhecer. Já tive o prazer de passar algum tempo com ela e das vezes que estivemos juntas deu para ver que é uma mulher lutadora, com grande paixão pelo que faz e sempre com um sorriso nos lábios

Estou a falar da Filipa Range, criadora d’ A Cozinha Verde. No seu blog a Filipa conta-nos a sua história inspiradora e de que forma o vegetarianismo mudou a sua vida (leiam aqui e aqui) e hoje conta-nos um pouco mais e deixa-nos a receita de um bolo saudável e delicioso.


Filipa qual é para ti a maior dificuldade e a maior satisfação de ser vegan?

Honestamente não sinto grande dificuldade em manter este estilo de vida. Tenho a sorte de ter o apoio da família e amigos. Quando estou fora de casa levo sempre o meu kit SOS vegan. Mas tem sido fácil contornar a questão da alimentação, em Lisboa existem inúmeros espaços com opções vegan (ou vegetarianas mas que rapidamente se adaptam). Fora das grandes cidades é mais complicado, mas não impossível, com um bocadinho de força de vontade tudo se consegue. Quanto à maior satisfação… bem, é difícil enumerar só uma, entre tantas coisas boas que o veganismo trouxe à minha vida. Mas se tivesse que escolher a satisfação em sentir que as minhas escolhas não contribuem para o sofrimento de outros seres vivos. Viver todos os dias de consciência tranquila é a sensação mais libertadora de todas.

 

Durante este teu percurso no veganismo quem mais de inspirou/inspira?

Foram (e continuam a ser) várias as fontes de inspiração. Entre sites, blogues e livros, portugueses e estrangeiros, pessoas que fui conhecendo ao longo do tempo (como tu Patrícia) e outras tantas que ainda não tive a oportunidade de conhecer.

 

O que nunca falta na tua despensa?

O que nunca falta? Variedade! Muita fruta e vegetais frescos (e congelados), cereais integrais, leguminosas, muitas sementes, frutos gordos, leites vegetais, especiarias, superalimentos, levedura de cerveja, óleo de coco, molho de soja e tamari, manteiga de amendoim, geleia de arroz, tahin, vagens de baunilha. E ainda dizem que a alimentação vegan é aborrecida!

 

Produto vegan prefeiro?

Os mais simples. Aqueles que vêm do campo e não de uma fábrica qualquer. Os outros servem para dar um extra à receita, mas para mim o main ingredient é mesmo aquele que depois de cultivado vem directamente para o nosso prato.

 

Qual o teu (not) guilty pleasure?

Cajus e abacates! Não para comer simples, mas sim para adicionar a receitas. Faço tudo com eles! E são mesmo um not guilty pleasure, porque são uma óptima fonte de gorduras das boas, que o nosso corpo precisa, para além de tornarem as receitas deliciosas!

 

Que conselho deixaras a quem está a dar os primeiros passos no veganismo?

Aprende a ouvir o teu corpo. Ele diz-nos tudo aquilo que precisamos de saber, e indica-nos o melhor caminho a seguir. Porque o que funcionou para mim pode não funcionar para ti e vice-versa. Por exemplo, eu mudei radicalmente a minha alimentação de um dia para o outro. Num dia comia carne e tudo o mais que tivesse origem animal, no outro dia não. Para mim e para o meu corpo, funcionou bem. Mas não quer dizer que funcione para ti. Podes ter que ir com mais calma, fazer uma transição mais suave. E informa-te. Lê. Estuda. Aconselha-te com que já passou ou está a passar pela mesma situação. A informação é a nossa melhor arma, porque é ela que nos impede de cometer erros. E por último, mas não menos importante, retira prazer do teu novo estilo de vida. Não o encares nunca como uma “obrigação” (moral, de saúde, etc) mas sim como uma escolha consciente. E diverte-te a descobrir este novo mundo!

 

Bolo Natural de Cacau

(sem farinhas, sem açúcar, sem glúten)

Bolo natural de choc com creme de tamaras 1

Escolhi esta receita por dois motivos. Primeiro, para demonstrar que não é por excluir os ovos e os lacticínios da alimentação que deixamos de fazer sobremesas deliciosas. Segundo, porque podemos tornar saudáveis esses mesmos doces, utilizando ingredientes simples e naturais.

Rende 1 bolo com aproximadamente 15 fatias

Tempo de preparação: 90 minutos

 Ingredientes

  • 3 chávenas de amêndoas e cajus sem sal triturados
  • 1/2 chávena de cacau cru em pó
  • 2 colheres de chá de fermento (sem glúten)
  • 2 bananas maduras
  • 1 vagem de baunilha
  • 1/2 chávena de óleo de girassol não refinado, prensado a frio (ou óleo de coco)
  • 1/2 chávena de leite de amêndoas natural (não açucarado)
  • 5 colheres de sopa de geleia de arroz

 

Como preparar

Pré aquecer o forno a 180ºC.

Num processador de alimentos/robot de cozinha, picar bem as amêndoas e os cajus durante uns minutos. Numa tigela grande misturar esta farinha de amêndoas e cajus com o cacau e o fermento.

Esmagar as banaas e juntar à tigela, juntamente com o óleo de girassol, o leite de amêndoas, a geleia de arroz e as sementes de vagem de baunilha (para retirar as sementes fazer um corte longitudinal na vagem e raspar as sementes com cuidado). Mexer bem com uma vara de arames.

Forrar uma forma redonda com papel vegetal e deitar a massa na forma. Levar ao forno cerca de 40 minutos ou até um palito sair limpo.

Deixar arrefecer bem antes de desenformar. Reservar.

Para a cobertura

  • 1 chávena de tâmaras biológicas, previamente demolhadas durante algumas horas
  • 1/4 chávena de cacau cru em pó
  • 1/2 chávena de água fresca
  • 1 colher de sopa de geleia de arroz (opcional)

Bater todos os ingredientes num processador de alimentos/robot de cozinha até obter uma textura cremosa. Reservar.

 Finalização e decoração

Com a ajuda da uma espátula espalhar o creme de tâmaras e cacau sobre o bolo. Decorar com frutos vermelhos fresos e amêndoas picadas grosseiramente.

 


 

Obrigada Filipa pelas tuas palavras, que são sempre uma inspiração, e por este bolo delicioso, eu já roubava uma fatia! ;)

 

Sigam o blog e facebook d’ A Cozinha Verde para verem todas as novidades, desde as receitas aos  workshops sobre alimentação saudável e totalmente vegetariana.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

6 Comments

  • Reply Gori Outubro 4, 2014 at 8:42 pm

    Eu roubava mais do que uma fatia, porque não iria ficar satisfeita com tão pouco!
    Beijinhos

    • Reply Not Guilty Pleasure Outubro 14, 2014 at 1:10 am

      Eheheh nós gulosas somos assim, não resistimos a um bom bolinho! :P

      beijinhoo*

  • Reply Green Food Outubro 5, 2014 at 10:25 am

    Gostei muito da entrevista :)

    Beijinhos às duas*

  • Reply Márcia Gonçalves Outubro 5, 2014 at 12:57 pm

    Adorei a ideia das entrevistas! Que óptima forma de divulgares o trabalho e a experiência destas convidadas fantásticas! :D
    Adorei a entrevista da Filipa, e identifico-me muito com os conselhos que ela deu para quem está a dar os primeiros passos no veganismo. Não acrescentaria mais nada! :)
    Beijinhos!

    • Reply Not Guilty Pleasure Outubro 14, 2014 at 1:09 am

      Obrigsda Márcia, que bom que gostaste, eu acho que é uma boa oportunidade para conhecer um pouco mais das bonitas pessoas que estão por trás dos trabalhos que admiramos, gostei imenso de as fazer, acho que vou repetir um dia destes! :)
      E a Filipa é mesmo uma inspiração e os seus cosnelhos foram óptimos :)

      um beijinho*

    Leave a Reply

    Powered by themekiller.com