Receitas

5 ingredientes diferentes e o que fazer com eles

Digo muitas vezes que a alimentação vegetariana não precisa de ingredientes estranhos ou difíceis de encontrar para ser saborosa. Fazer refeições vegetarianas é do mais simples que há, não precisamos de complicar demais a combinação de alimentos, basta usarmos os legumes, leguminosas, cereais e frutas que tão bem conhecemos!

Mas, quando já estamos à vontade neste mundo verde, há alguns ingredientes que podem ajudar as nossas refeições a ficar ainda mais espectaculares, a dar-lhes aquele toque diferente que as torna especiais e também a aumentar a diversificação da nossa alimentação.

Aqui ficam 5 ingredientes um pouco diferentes e como usá-los para enriquecer as suas refeições.


Tahini

Tahini é o nome que normalmente se dá à pasta de sementes de sésamo, que é basicamente estas sementes trituradas até uma consistência cremosa. Eu adoro tahini e tenho sempre um frasco em casa. Uso tanto como elemento doce como salgado, pois adapta-se bem a qualquer sabor. Quando comprar tenha em atenção os ingredientes, pois o único deve ser mesmo as sementes de sésamo. Nada de sal, açúcar ou outros aditivos! Pode encontrar tahini com as sementes com casca, que normalmente é mais escuro e amargo ou com as sementes sem casca, mais claro e de sabor mais suave, que é aquele que prefiro usar. Se quando abrir o frasco tiver uma camada de óleo por cima não se preocupe, é o óleo natural da gordura das sementes que é comum ficar separado da pasta, basta pegar numa colher e mexer bem todo o conteúdo do frasco.

Aqui ficam algumas sugestões em como usar tahini:

  • Molho tahini com limão
  • Biscoitos de sésamo
  • Crackers de sésamo
  • Barrado em torradas com marmelada (é divinal!)
  • Molho doce: tahini + geleia de arroz + água. Óptimo como topping de papas de aveia, de millet ou sobre fruta fresca
  • Hummus: 400g grão cozido + sumo de 1/2 limão + 1 colher de sopa bem cheia de tahini + sal q.b. + 1 colher de sopa de azeite + 3 colheres de sopa de água + 1 dente de alho + 1 pitada de cominhos (opcional). Triturar tudo com a varinha mágica até ficar bem cremoso e ajustar os temperos.


Vinagre de Ameixa Umeboshi

Conheci o vinagre de ameixa umeboshi no Instituto Macrobiotico e fiquei absolutamente fã. É algo que adoro ter na despensa porque dá um toque especial às coisas mais simples. Este vinagre é na verdade o liquido que fica da salmoura das ameixas umeboshi, um fruto asiático com imensas propriedades medicinais naturais (veja mais informação aqui), e tem um sabor simultaneamente salgado, ácido e ligeiramente doce. Fica maravilhoso em:

  • Sementes tostadas: numa frigideira anti-aderente toste sementes de girassol, ou abóbora ou uma mistura de ambas, sem qualquer gordura e junte umas gotas de vinagre umeboshi, envolvendo todas as sementes no mesmo. Guarde num frasco e utilize por cima de saladas, de arroz ou couscous ou coma assim como snack.
  • Pickles aldrabados: por exemplo de rabanete. Corte os rabanetes em rodelas fininhas, tempere com vinagre de ameixa umeboshi, envolva tudo e deixe repousar entre 30 a 60min antes de comer. Pode guardar o que sobrar durante uns 2 dias no frigorifico.
  • Temperos de saladas: com azeite, com óleo de sésamo, como complemento do vinagre de cidra ou do limão, com molho de soja, etc…


Geleia de Arroz

A geleia de arroz, ou mel de arroz, é um adoçante não refinado obtido através da fermentação do arroz, sendo os seus açúcares de absorção lenta, o que ajuda a evitar os picos glicémicos no sangue. É um óptimo substituto do mel nas sobremesas vegetais porque a textura é muito semelhante, apesar do sabor não ser, obviamente, igual. É o adoçante que mais utilizo cá em casa, especialmente quando faço granolas ou bolachas. Mas atenção! Lá porque é um açúcar não refinado, não deixa de ser açúcar na mesma, moderação no seu uso continua a ser preciso! No Verão, depois de aberto, deve guardar num sitio fresco ou no frigorifico porque com o calor retoma a fermentação e pode ficar c9m sabor azedo.

Aqui ficam algumas sugestões de receitas:


Levedura de Cerveja

A levedura de cerveja é, destes ingredientes, aquele que mais aparece aqui no blog. É conhecida como o “queijo dos vegans”, porque o seu sabor particular faz lembrar um pouco esse ingrediente e é muito bom por cima de massas e pizzas, como se fosse pó de queijo. Sem querer entrar em muitos pormenores nutricionais, deixo só aqui que a levedura de cerveja é uma óptima adição aos nossos pratos pois é bastante rica em vitaminas do complexo B, minerais e também alguma proteína. Para obter estes nutrientes no seu máximo a levedura não deve ser cozinhada, no entanto há receitas em que a levedura é aquecida e dá um sabor maravilhoso ao prato.

Aqui ficam algumas sugestões:

NOTA: a levedura nutricional provém da mesma levedura que a de cerveja, embora a nutricional esteja no modo inactivo (não tem capacidade de fermentação). Algumas fontes indicam que contém valores nutricionais superiores à levedura de cerveja. Em sabor são bastante parecidas, por isso pode utilizar a que preferir. 


Millet

O millet, também conhecido como milho-painço, é um cereal muito antigo e nutritivo, mas pouco usado na nossa alimentação. Mais uma vez, conheci melhor este ingrediente no Instituto Macrobiótico e entrou logo na nossa alimentação cá de casa. É um cereal com sabor suave, depois de cozido quase parece couscous, não tem glúten e é óptimo para acalmar o estômago. Millet cozido com abóbora é uma salvação para estômagos sensíveis e dolorosos.

Mas há outras formas deliciosas de utilizar o millet, por exemplo em:

  • Saladas, como se fosse couscous
  • Sopas, como a canja de cogumelos
  • Puré de millet e couve flor: 1 couve flor pequena + 1 cebola pequena + 1 dente de alho + 1 chávena de millet bem lavado + 3 chávenas de água + azeite e sal q.b. Refogar no azeite o alho e cebola grosseiramente picados, quando estiverem alourados juntar a couve flor em pedaços e o millet. Envolver tudo e deixar tostar uns 3 minutos, juntar a água, sal e deixar cozinhar tapado, em lume baixo, até o millet cozer. Triturar tudo com a varinha mágica e usar como se fosse puré de batata.
  • Papas doces

 

O que acha destes ingredientes? Algum que nunca tenha experimentado? Ou algum que não dispense na sua cozinha?

Há outros ingredientes que ache mais difíceis de usar nos seus pratos?Diga-me aqui nos comentários as suas sugestões!

Previous Post

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.